1NB - ADMINISTRAÇÃO - FG

Fórum dedicado aos alunos da turno 1nb de administração da Faculdade Guararapes.
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  LoginLogin  
Compartilhe | 
 

 GRUPO DA GRAMÁTICA HISTÓRICA E COMPARADA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Nathy
Desenrolado
Desenrolado


Número de Mensagens: 32
Idade: 26
Localização: Piedade (aceito caronas na volta da facul ;D)
Data de inscrição: 22/02/2008

MensagemAssunto: GRUPO DA GRAMÁTICA HISTÓRICA E COMPARADA   Sab Fev 23, 2008 3:34 am

Gramática Histórica

Quem iniciou? (Janaína)
Evanildo Cavalcante Bechara, por volta do ano de 1968, membro da Academia Brasileira de Letras, Dr. pela faculdade de Coimbra.

Conceito: (Vanessa)
É a que estuda uma seqüência de fases evolutivas de um idioma( Bechara, 1968).É a que estuda a origem e a evolução de uma língua, acompanhado-lhe as fases desde o seu aparecimento até o momento atual.
Noções básicas de gramática histórica têm feito parte dos programas de ensino de Língua Portuguesa no 2º grau, informando aos alunos sobre a origem do português no Latim vulgar, suas fases (medieval, clássica, moderna); sobre elementos de sua evolução fonológica, morfológica e sintática sobre a formação do seu vocabulário.

Exemplos: (Karine)
Apicula > apelha > abelha
Aurum > oirullo > ouro > oro
Tegula > tegla > telha

Gramática Comparada
Quem iniciou?
(Nathália e Ana Tereza)
A época das Gramáticas Comparadas é considerada um importante momento na constituição da Lingüística enquanto ciência. Embora só tenha “explodido” no século XIX, a Gramática Comparada teve amplo desenvolvimento a partir do século XVII. A figura mais expressiva da época é a do alemão Franz Bopp (1791-1867). Ele é considerado o fundador da lingüística comparativa. Seu livro sobre o sistema de conjugação do Sânscrito abriu novas perspectivas lingüísticas. Segundo Câmara Jr. (op. cit.), Bopp publicou este livro quando estudava em Paris dedicando-se ao estudo das línguas orientais. Logo concentrou sua atenção no Sânscrito. Foi, assim, um filólogo do Sânscrito e seu pequeno livro sobre o estudo comparado dos verbos compreende uma série de traduções do Sânscrito.
Ao tempo de Bopp, a questão da arbitrariedade e da motivação ainda se arrastava. Como, segundo Benveniste, "a Lingüística nasceu da filosofia grega" (cf. Domingues, 1991), essa grande questão remonta àqueles tempos clássicos com a discordância entre Platão (linguagem natural) e os estóicos (linguagem convencional). Uma coisa é certa, nesses momentos iniciais de estruturação da gramática, seus princípios levavam-na a mais pensar que falar. Essa ênfase essencialista dominou a gramática até o aparecimento das idéias de Bopp.
Foi então que Bopp preferiu o fenômeno à essência, procurando estudar a língua por si mesma, através da sua fala. Para conseguir seu intento, ele começou por comparar diversas línguas tradicionais, procurando descobrir seus pontos de intersecção e suas estruturas mais remotas. Para isso, o privilégio anterior dos estudos gramaticais, que recaíam sobre o significado, passou a priorizar o significante e aos poucos a filosofia da escritura foi se ampliando em lingüística da fala, inaugurando-se assim, com Bopp, uma nova idade na arqueologia lingüística, a idade da história de que nos fala Benveniste (cf. Domingues: 1991). A gramática passa a se preocupar mais com o signo, as flexões, as raízes etc.
Na esteira do pensamento de Rousseau, Bopp procurou, em línguas mais antigas, nas suas fontes mais primitivas, as raízes e pontos de intersecção que clareassem a origem dos falares. Foi assim que surgiu sua Gramática Comparada, comprovando a solidariedade do sistema lingüístico indo-europeu. Através desse estudo, Bopp concluiu que o Sânscrito, entre as línguas comparadas, é a que mais se faz presente no conjunto geral, muito mais que o Latim, o Grego e o Hebraico. A língua sagrada dos hindus é uma espécie de irmã mais velha de todo o sistema lingüístico estudado na Gramática Comparada.
A grande contribuição das Gramáticas Comparadas foi evidenciar que as mudanças sofridas pelas línguas são regulares, têm uma direção. Não são caóticas como se pensava.


ESSA PARTE FOI A QUE EU ACHEI IMPORTANTE POR CONTAR A HISTÓRIA DA GRAMÁTICA E DE BOPP, MAS EU ESTOU ACHANDO GRANDE D+... O QUE VC´S ACHAM QUE EU POSSO TIRAR OU PREFEREM ASSIM???

Conceito: (Amélia)
É a que estuda uma seqüência de fases evolutivas de várias línguas, normalmente buscando encontrar pontos comuns. Os estudos comparativistas tiveram seu auge no final do século passado e início deste século e foram os responsáveis pelo estabelecimento das famílias de línguas, descobrindo parentescos entre línguas aparentemente muito distanciadas como o Latim e o Sânscrito, por exemplo.

Exemplo:
(Sandro)
Rapariga -> Moça


Última edição por Nathy em Sab Fev 23, 2008 1:35 pm, editado 6 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Nathy
Desenrolado
Desenrolado


Número de Mensagens: 32
Idade: 26
Localização: Piedade (aceito caronas na volta da facul ;D)
Data de inscrição: 22/02/2008

MensagemAssunto: Re: GRUPO DA GRAMÁTICA HISTÓRICA E COMPARADA   Sex Fev 22, 2008 11:35 pm

Mesmo esquema.... Se tiver erros so vou conferir amanhã...
A minha parte com Ana vou vazer um resumo, amanhã estará aqui.
Very Happy
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Sandro
Admin


Número de Mensagens: 44
Idade: 29
Localização: Prazeres
Data de inscrição: 21/02/2008

MensagemAssunto: Re: GRUPO DA GRAMÁTICA HISTÓRICA E COMPARADA   Sab Fev 23, 2008 9:10 am

RAPAZ.........

Encontrei muuuuuuuuuita coisa boa sobre gramática comparada!!!

Olha só o exemplo que encontrei:

'A prova disso é a discrepância das normas de justaposição e de separação em Portugal e no Brasil, relativamente à escrita de porque/por que. Assim, e ao contrário da ortografia portuguesa, a ortografia brasileira preconiza porque sempre separado nas orações interrogativas (Por que mentiram? Não sei por que mentiram.). Tal acontece porque a terminologia gramatical brasileira não considera a existência de um constituinte interrogativo justaposto porque, ao contrário da actual terminologia linguística portuguesa, que o considera um pronome interrogativo (cf. 3).O mesmo acontece com porquê/por quê. Em Portugal, escreve-se sempre justaposto quando é pronome interrogativo (ex.: Porquê complicar? Devolveu a mercadoria, não sei porquê.) ou quando é substantivo masculino (ex.: Desconheço o/s porquê/s daquele comportamento.). No Brasil, escreve-se justaposto apenas quando é substantivo; quando é usado em orações interrogativas, é escrito separadamente (ex.: Por quê complicar? Devolveu a mercadoria, não sei por quê.)." (http://omolete.blogspot.com/2007/07/s-eu-sei-porque-sou-f-s-eu-sei-por-que.html)

E ESSA TRABALHO DA UNICAMP:

http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/p00006.htm
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://fg1nb.forumeiros.com/
Nathy
Desenrolado
Desenrolado


Número de Mensagens: 32
Idade: 26
Localização: Piedade (aceito caronas na volta da facul ;D)
Data de inscrição: 22/02/2008

MensagemAssunto: Re: GRUPO DA GRAMÁTICA HISTÓRICA E COMPARADA   Sab Fev 23, 2008 10:52 am

Esse trabalho é muito parecido com o que eu levei ontem.
mas ele tb está massa.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 

GRUPO DA GRAMÁTICA HISTÓRICA E COMPARADA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» Os 40 Piores Ensinamentos da CCB - Uma Pequena Retrospectiva Histórica Você acha um exagero desta postagem ??
» GRUPO EFT EMAGRECER - Nossas Receitas!
» Grupo "Amigos do Cansanção" no Orkut
» 'Gramática Latina' para doação
» Fichas de Gramática do 9º ano, preparação exames Nacionais.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
1NB - ADMINISTRAÇÃO - FG ::  :: -